Para n√£o deixar de amar-te nunca

para-nao-deixar-de-amar-te-nunca

Saber√°s que n√£o te amo e que te amo

pois que de dois modos é a vida,

a palavra é uma asa do silêncio,

o fogo tem a sua metade de frio.

 

Amo-te para começar a amar-te,

para recomeçar o infinito

e para n√£o deixar de amar-te nunca:

por isso n√£o te amo ainda.

 

Amo-te e n√£o te amo como se tivesse

nas minhas m√£os a chave da felicidade

e um incerto destino infeliz.

 

O meu amor tem duas vidas para amar-te.

Por isso te amo quando n√£o te amo

e por isso te amo quando te amo.

 

Pablo Neruda, in “Cem Sonetos de Amor”