“Paralelo a” ou “em paralelo com”?

“Paralelo a” ou “em paralelo com”?

Encontre o erro na frase abaixo:

“O depoimento do executivo foi dado à Polícia Civil, numa investigação que corria em paralelo à da PF.”


O fragmento acima suscita uma questão de regência nominal. A palavra “paralelo” pode reger complementos introduzidos pelas preposições “a” ou “com“, mas cada qual em uma situação definida. O uso de uma ou outra preposição, portanto, não é indiscriminado.


Para compreender essa questão, temos de distinguir o adjetivo “paralelo” do substantivo “paralelo”. Na condição de adjetivo, a palavra rege complemento encabeçado pela preposição “a“; na condição de substantivo, rege complemento iniciado pela preposição “com“.


Dizemos, por exemplo, que o desenvolvimento da economia é paralelo ao da educação ou que o amadurecimento emocional dos jovens é paralelo ao seu desenvolvimento intelectual etc. Nesses casos, estamos lidando com o adjetivo “paralelo” (no sentido de “simultâneo“), que concorda em gênero e número com o substantivo a que se refere. Assim, é possível dizer que uma pessoa tem ideias paralelas às de outra (“semelhantes“, “afins“) ou que a situação de um é paralela à de outro etc.


Numa construção como “traçar um paralelo“, em que “paralelo” é um substantivo, o complemento deve ser iniciado por “com”. Assim: “Traçou um paralelo da obra do escritor com a biografia dele”. Nesse caso, também seria correto dizer que “traçou um paralelo entre a obra o escritor e a biografia dele”, substituindo o par “de… com” pela correlação “entre… e”.


Precedido da preposição “em“, o substantivoparalelo” integra a expressão “em paralelo com“. Assim, pode-se dizer que uma coisa corre em paralelo com outra. Segue, abaixo, o trecho corrigido:


“O depoimento do executivo foi dado à Polícia Civil, numa investigação que corria em paralelo com a da PF.